Especialista aponta benefícios para empresas que oportunizam o ingresso de jovens no mercado de trabalho

Valorização de programas como o Jovem Aprendiz contribuem para o crescimento das organizações

Ingressar no mercado de trabalho é um sonho almejado por muitos jovens e, num cenário cada vez mais concorrido e em que é preciso ser multifuncional, conquistar um espaço entre tantos candidatos pode ser uma tarefa difícil. Dados de uma Pesquisa Nacional por Amostra de Domicilio (Pnad), que começou a ser apurada em 2012, mostrou que são mais de 7 milhões de jovens brasileiros subutilizados, ou seja, que estavam desempregados, que desistiram de ter um emprego ou que poderiam trabalhar por mais horas na semana. Destes, mais de 4 milhões estavam desempregados e querendo uma colocação no mercado, o que marca uma taxa de desemprego de 27,3% entre esse grupo.

Além da vontade, o mercado ainda não percebeu que quanto mais cedo um jovem iniciar sua vida profissional, mais pessoas preparadas estarão à disposição para contribuir com o crescimento das empresas. “Essa experiência traz resultados positivos tanto para o jovem que consegue visualizar novos horizontes e descobrir áreas de interesse, preparando-o para o futuro profissional, quanto para a empresa na formação de mão-de-obra qualificada, cada vez mais necessária em um cenário econômico em constante evolução," afirma a gerente de Desenvolvimento Humano Organizacional da Brandili Têxti  Cláudia, Orçati Caniceiro

Na Brandili, por exemplo, a pouca idade e a falta de experiência não são um problema. A empresa oferece oportunidades através do Programa Jovem Aprendiz, que alia estudo e trabalho. Isto é, o jovem recebe orientações e a chance de colocar os ensinamentos em prática passando pelos setores da organização. Agora em 2020, são 47 novos jovens contratados. “Eles vão ingressar e vivenciar a rotina de trabalho na empresa, aprendendo a desempenhar atividades profissionais e ter a capacidade de discernimento para lidar com diferentes situações e desafios no ambiente empresarial. Mais do que uma experiência no mercado de trabalho, eles percebem a importância da independência, resiliência, pró-atividade e várias outras questões que os tornarão diferenciados”, acrescenta Cláudia.

Exemplos que mostram como a oportunidade dá certo

Paola Poffo é um exemplo de que todo jovem pode começar uma excelente jornada de evolução ainda estudando. Hoje, ela é universitária no curso de Design de Moda e trabalha na área de Engenharia de Produto da Brandili Têxtil, mas a relação com a empresa começou em 2016 através do Programa Jovem Aprendiz. “Foram dois anos trabalhando no setor administrativo conciliados com o curso de aprendizagem industrial no Senai. Hoje sou assistente de desenvolvimento de aviamentos e meu estágio me ajudou nisso, pois tive muito contato com toda a empresa, conhecendo e aprendendo mais sobre todos os processos. E, juntamente com o curso, pude ter novas perspectivas que me fizeram escolher essa área para evoluir profissionalmente”, comenta Paola.

Jovens que além de um espaço no mercado de trabalho buscam por inclusão também têm muito a ganhar com esse início cedo. Victor Hugo Leite, de 15 anos, é PCD (pessoas com deficiência) e começou sua trajetória no início deste ano. Para a mãe, Darci Fucht, essa oportunidade vai trazer muitos benefícios. “Não é apenas crescimento profissional, terá o pessoal também. Ele poderá aprender novas tarefas, mas também aprender mais sobre o convívio social, fará novos amigos e, assim, se desenvolverá melhor para ter um futuro cheio de conquistas”, ressalta.